segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Que diabos acontece com nosso povo?

Sério mesmo. Não dá pra entender como algumas pessoas criticam algo sem ter o menor domínio sobre tal, principalmente quando se fala em música. O fato de alguém (principalmente brasileiro) inovar SEMPRE causou repudio na massa acostumada com modismos televisivos e bandinhas gringas; afinal de contas, “Nacionalismo é tão Last Week”. Então, se deve escarrar na nossa cultura tão rica e se render ao que vem de fora, nem que isso implique em abrir mão de qualidade, o que geralmente ocorre.

O Teatro Mágico, com tamanha inovação, é um dos maiores alvos das críticas de gente que se quer conhece a proposta dos caras e quer falar mal sem o mínimo de argumentos. Pessoas que alegam que música e teatro não são a mesma forma de expressão, o que não deixa de ser verdade. Porém, arte não se limita. Um artista que tenta impor limites à arte vai passar o resto da vida no anonimato, fazendo covers e achando-se maior que os outros pelo simples fato de acreditar que, porque faz/fez um curso superior, é realmente bem instruído e tem um bom senso crítico.

A quem não sabe, “O Teatro Mágico é a idéia de um sarau amplificado onde tudo pode acontecer” (Fernando Anitelli). Ou seja, sem limites para a arte, como realmente deve acontece e claro, unindo música e teatro, dentre outras formas de expressão artística. Não estou aqui querendo fazer ninguém amar OTM, mas se for criticar, que pelo menos sejam usados fundamentos dignos, afim de que se torne minimamente aceitável ou resulte num bom debate. Caso não existam argumentos, simplesmente diga: “Não gosto, não faz meu tipo e pronto.”.

Aos leitores que ainda não conhecem as músicas d’O Teatro Mágico, todas elas estão disponíveis para download no site oficial da banda:

Mas claro, se você é do tipo que gosta das coisas fáceis, letras óbvias e, além de tudo, tem preguiça de pensar e refletir; não baixe e não ouça OTM sob hipótese alguma, caso contrário, você será mais um, dentre tantos, que vai dizer que as letras não têm o menor sentido/não dizem coisa com coisa. Se esse não for seu caso, “sintaxe a vontade”! É música para raros.

Tudo é uma coisa só” (8)

4 comentários:

Thah disse...

curti bastante Tih, bem resposta pro post do Danilo rs

***Gisele*** disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
***Gisele*** disse...

Aimeldeos...mas é assim mesmo.. eu que trabalho com educação vejo que a ignorância do nosso povo transcende tudo...
As pessoas não entendem " nem toda palavra é, aquilo que o dicionário diz"...
Se as pessoas escutassem músicas que as fizessem pensar e apresentassem isso aos seus filhos, nós teríamos uma geração que pensa e reflete, e aproveitando a deixa do OTM que é MPB tenho q falar do meu amado Oswaldo Montenegro, que eu aprendi amar e respeitar por suas letras lindas e poéticas.
E finalizo meu comentário assim: Se vc anda não tem filhos e é do tipo que o Tiago citou no post dele, faça um favor a humanidade, não coloque descendetes seus na terra. Pq é gente como vc que não consegue nem parar pra ouvir uma música com uma letra reflexiva, que vai "educar" outro ser que vai ser de uma geração pior que a sua, culturalmente falando.Eu sou educadora e levei o DVD do OTM para meus alunos, elas amaram, sabe pq? Porque tem palhaço...Ensina a criança no caminho em que deve andar, pq quando ele for velho, não se desviará...

Celo Aglio disse...

Quanto tudo a que se refere aOTM, prefiro nem comentar pra não parecer fanboy em excesso.

Quando li "principalmente no que se refere à música" pensei no que sempre penso: criticar musica alheia é maneira de se achar um pouco melhor e reafirmar seus gostos e mentir pra si mesmo fingindo ser uma pessoa de personalidade forte.
Não curtir é uma coisa, criticar sem argumentos é outra bem diferente.